Banco de Portugal esconde falência da Rioforte

Segundo uma investigação da SIC, o Banco de Portugal escondeu um buraco de 954 milhões da Rioforte garantido aos accionistas que a empresa era viável.

 

O Banco de Portugal (BdP) não divulgou os dados relativos à falência da Rioforte, sociedade do universo não financeiro do Grupo Espírito Santo (GES). A informação foi adiantada pela SIC no seguimento de uma investigação emitida na íntegra na noite desta terça-feira.

A investigação adianta que o BdP solicitou no terceiro trimestre de 2013 uma análise às holdings do GES. No primeiro estudo, os dados indicavam ao regulador que a Rioforte apresentava um capital positivo de 930 milhões. Três meses depois, o relatório da auditora PwC revelava um buraco de -945 milhões. Um negócio feito dentro do Grupo Espírito Santo e que determinou a morte da Rioforte.

O BdP terá escondido os dados e garantiu à banca e aos investidores que a Rioforte era uma empresa viável. As consequências afetaram os acionistas que tinham ativos ligados à empresa, à banca e à PT. O Banif, depois de ter a confirmação de que a Rioforte não era um ativo de risco, centrou nela toda a dívida que tinha.

Em 2015, o então administrador financeiro da PT mostrou-se indignado na comissão parlamentar de inquérito à gestão do BES e do GES, na Assembleia da República. Luís Pacheco de Melo afirmou que a PT foi enganada pela administração do GES.

“O buraco oculto da Rioforte” é uma investigação de Pedro Coelho, que adiantou já não ter sido possível apurar o motivo que originou o silêncio do BdP.

 

via Dinheiro Vivo

©2019 ABESD - Associação de Defesa dos Clientes Bancários

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?