Ministério Público evita prescrição de processos contra o BES

Dois inquéritos relativos a queixas de lesados do BES foram autonomizados do processo principal e constituídos novos arguidos

 

O Ministério Público interrompeu esta segunda-feira a prescrição de dois inquéritos integrados no caso Grupo Espírito Santo (GES), que resultaram de queixas de clientes lesados do Banco Espírito Santo. Os dois inquéritos, que estavam anexados ao processo principal do caso GES, corriam o risco de prescrição em março e foram autonomizados, com a classificação de “urgentes e prioritários”.

A notícia é avançada esta terça-feira pelo Correio da Manhã, que dá conta que, em causa, está a suspeita da prática do crime de falsificação de documento, dado que os dois inquéritos são relativos a prejuízos avultados de clientes lesados em produtos financeiros do BES. Para travar a prescrição destes inquéritos, foram constituídos arguidos os gestes desses produtos financeiros, funcionários bancários do antigo Banco Espírito Santo, e autonomizados os processos, adianta, ainda, o jornal.

Em causa está a subscrição de ações preferenciais do BES, com capital e juros garantidos e com prazo definido. Mas o BES terá, depois, canalizado o dinheiro dos clientes para o pagamento da dívida das empresas do GES, e, com o colapso do grupo, os clientes não recuperaram o capital investidor.

 

via Dinheiro Vivo

©2020 ABESD - Associação de Defesa dos Clientes Bancários

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?